Justiça de São Paulo determina quebra de sigilos do ministro Ricardo Salles
23/11/2019 14:50 em Política

Ministério Público paulista investiga suposto enriquecimento ilícito do ministro do Meio Ambiente, no período em que ele serviu ao governo Alckmin

 

São Paulo – A Justiça de São Paulo determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, no âmbito de uma investigação do Ministério Público estadual (MP-SP) por suspeita de enriquecimento ilícito.

O objetivo da investigação é apurar como Salles conseguiu fazer seu patrimônio saltar de R$ 1,4 milhão, em 1012, para os declarados R$ 8,8 milhões em 2018. No período, ele alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista – foi secretário particular do governador Geraldo Alckmin de 2013 a 2014, e Secretário do Meio Ambiente, também de Alckmin, de 2016 a 2017.

Em 2012, quando foi candidato a vereador pelo PSDB, ele declarou possuir R$ 1,4 milhão em bens, a maior parte em aplicações financeiras, além de 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Já em 2018, quando candidatou-se a deputado federal pelo Novo, seu patrimônio declarado foi de R$ 8,8 milhões: dois apartamentos avaliados em R$ 3 milhões cada, além de R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco, de R$ 500 mil. Alta de cerca de 500% em cinco anos.

O MP-SP já havia solicitado os dados do ministro em duas ocasiões, mas os pedidos haviam sido negados pela Justiça. Salles nega irregularidades em suas contas. “Todos os meus rendimentos e bens foram declarados por mim mesmo. Não tenho receio acerca da análise dos dados.”

Leia também:

PGR recebe pedido de 51 ONGs para investigar improbidade praticada por Ricardo Salles

COMENTÁRIOS
APOIO CULTURAL