O Ministério estratégico da corrupção – MEC, versão atual
24/03/2022 11:49 em Política

Como atua o ministro da Educação? Ele próprio responde:

 

"Minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar". Milton Resende.

 

Um de seus agentes é o pastor Gilmar de Santos, que correu para se defender na mídia:

"A única influência que eu, pastor Gilmar Santos, tenho como propósito de exercer sobre todos aqueles com quem já mantive contato, ou mantenho, é a manifestação da glória a Deus", escreveu”. Pastor Gilmar Santos.

 

O Ministro Milton Ribeiro citou expressamente Jair Bolsonaro como mandante do favorecimento ao Pastor Gilmar dos Santos. Bolsonaro, Milton Ribeiro e o tal Pastor Gilmar cometeram crime Advocacia Administrativa: Este aqui:

 

Art. 321 – Patrocinar, direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração pública, valendo-se da qualidade de funcionário: Pena – detenção, de um a três meses, ou multa. A conduta prevista no tipo penal é a de patrocinar interesse privado perante a administração pública.

 

Aras pede licença ao STF para investigar Ribeiro, deixando de fora Bolsonaro. Comete outro crime. Como representante do presidente PGR, Aras prevarica todos os dias. Desta vez, prevaricou de novo, conforme este artigo aqui:

 

Art. 319 – Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal. Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano.

 

Especificamente, na Lei do Impeachment Bolsonaro, Milton e Aras procedem de modo incompatível com “a dignidade, a honra e o decoro do cargo”. Os três cometem crimes de responsabilidade, base do impeachment. Lira está sobre 126 pedidos de impeachment contra Bolsonaro. À frente da Câmara Federal, funciona como zagueiro do esquema de corrupção que o episódio MEC ilustra. Tem lei, mas não tem vontade.

 

Nessa gestão, a nação se encontra sob controle de uma quadrilha que está à frente de seus cargos para DESCUMPRIR a lei. Inimigos da causa são postos no comando para atacar a causa. Neste caso, inimigos da Constituição são colocados nos cargos para corromper o sistema. Inimigos da educação cuidam da pasta da educação para organizar a corrupção e o pastoreio da corrupção, a exemplo do que acontece na Fundação Palmares, no Ministério do Meio Ambiente, na pasta dos Direitos Humanos e por aí vai.

 

Farisaísmo em ação

 

Versões de Bíblia Comentada por Gilmar Santos faziam parte do esquema para fazer o dinheiro público rodar na rota da corrupção. Quem promove o esquema na ponta são outros pastores, como no caso de Airton Moura, denunciado pelo prefeito de Bonfinópolis, em Goiás, pedindo 40 mil para sua própria igreja em troca de liberação de verbas. Outro prefeito achacado foi o de Boa Esperança do Sul (SP). Esse envolvia lavagem de dinheiro empurrando uma escola profissionalizante que o município não precisava, mas o esquema de corrupção, claro, impunha. As denúncias com seus respectivos áudios estão na edição de hoje do Estadão no link:  https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,mec-distribuiu-biblias-de-editora-de-pastor-em-cerimonia-com-o-ministro,70004017886.

 

Em suma: corrupção generalizada no MEC destruindo estado, igreja, educação e a própria administração pública. É o caso do afastamento imediato do ministro, prisão preventiva de todos os pastores – porque vão tratar de destruir provas – e impeachment do presidente que chefiava toda operação conforme afirmado por seu comparsa na chefia do ministério da educação. O impeachment do presidente só pra contar já que o beque de fazenda na Câmara Federal chuta tudo pra longe.

 

De qualquer forma, não faz sentido que Milton Riberio ainda ostente o título honorífico de cidadão santista a ele conferido há dois anos pela Câmara Municipal de Santos. Vale a pena revisitar o discurso do ministro pronunciado na oportunidade:

"Estou há 28 anos como pastor da igreja em Santos, cidade que me acolheu. Com muita honra agora sou cidadão santista. O homem é provado pelos louvores que recebe. Que eu possa reconhecer que não sou nada e que Deus é tudo"

 

Essa declaração consta do site oficial da Prefeitura Municipal de Santos e pode ser conferida aqui: https://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/ministro-da-educacao-recebe-titulo-de-cidadao-santista. A honraria foi concedida por iniciativa de Hugo Dupree, vereador não reeleito na atual legislatura. É o caso óbvio de retirada diante do estelionato honorífico. O título é acessório da personalidade do cidadão. No caso, acessório segue o principal. É só cassar. Não precisa cerimônia.


Da redação RBA Litoral:
Douglas Martins. Jornalista e Advogado

 

 

 

COMENTÁRIOS
APOIO CULTURAL